PT
Pesquisa
Um projecto da Fundação Rui Osório de Castro


Modelo 3D promete testar novas terapias no combate à leucemia
2011-03-10
Fonte: Biomerix

Cientistas do Instituto de Pesquisa Feinstein, nos Estados Unidos, criaram um modelo tridimensional que ajuda a compreender de que modo as células de leucemia se escondem na medula óssea, dando início ao seu processo de crescimento e reprodução.

Sarah R. Vaiselbuh e os seus colegas descobriram uma forma de criar um microambiente humano em laboratório que permita estudar o processo de evolução da doença e testar novos tratamentos. Entender o modo como as células de leucemia interagem com o microambiente da medula óssea é a chave para a compreensão da leucemia.

A especialista explica a sua teoria sobre a resistência das células da leucemia à quimioterapia, referindo que estas escondem-se muitas vezes em alguns locais na medula óssea, resistindo ao tratamento, e, assim que o mesmo termina, dão início ao processo de crescimento, saindo da  medula óssea e alastrando-se ao resto do corpo.

Para testar esta teoria, os especialistas criaram um nicho de células humanas com leucemia  e aplicaram-nas num modelo tridimensional de poliuretano tridimensional (fornecido pela Biomerix Corporation), que imitava a fisiopatologia humana de células leucémicas na medula óssea. As células-tronco mesenquimais criaram um microambiente da medula óssea humana ectópica com células de gordura e vasos sanguíneos. Foram injectadas células humanas infectadas com leucemia no local, para monitorizar o seu comportamento.

Três meses após a injeção, as células da leucemia mielóide cresceram localmente no nicho, mostrando preferência pelo microambiente humano criado, no entanto, ao fim de quatro meses, as células começaram a propagar-se, invadindo a medula óssea, baço e fígado do modelo.

Depois de vários testes, os cientistas chegaram à conclusão que as células de leucemia precisam do microambiente para que possam crescer e desenvolver-se, segundo um artigo publicado na revista Tissue Engineering.

Através deste modelo, os cientistas podem agora identificar novos alvos oncogénicos e novas abordagens terapêuticas.


 
Notícias relacionadas


voltar
STQQSSD
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31
 
 
 
 
19 Janeiro
O 18.º Seminário do Centro de Desenvolvimento da Criança realiza-se nos dias 19 e 20 de janeiro, em...
25 Janeiro
A próxima reunião científica do Centro de Investigação em Meio Ambiente, Genética e Oncobiologia...
21 Fevereiro
No dia 21 de fevereiro, o Auditório Biblioteca Orlando Ribeiro, em Lisboa, recebe o Fórum Cancro...
banner
© 2018PIPOP - Todos os direitos reservados.