PT
Pesquisa
Um projecto da Fundação Rui Osório de Castro


Como tratar os danos psicológicos causados pelo cancro infantil
2018-08-09
Fonte: Scientific American

Graças aos avanços nos tratamentos, muitas formas de cancro infantil deixaram de ser uma sentença de morte. Nas últimas décadas, a taxa de sobrevida global aumentou para quase 90%, o que significa que até o ano 2020, existirão cerca meio milhão de sobreviventes de só nos Estados Unidos. 

Com cada vez mais crianças a sobreviverem, fica cada vez mais claro que o cancro e os tratamentos subsequentes, como a quimioterapia ou a radioterapia, podem tem efeitos negativos a longo prazo que se estendem além de problemas físicos, como perda de cabelo, dor e incapacidade física. De fato, tal como acontece no cancro de adultos, o cancro infantil e o seu tratamento podem ter efeitos prejudiciais no desenvolvimento do cérebro, causando problemas de atenção, memória e linguagem, e levando à depressão e ansiedade. Com base em estudos que usaram neuroimagem para examinar a estrutura e a função do cérebro, acredita-se que os tratamentos necessários para salvar a vida das crianças também podem ser prejudiciais ao desenvolvimento neural.

No entanto, o cancro e o seu tratamento podem não ser os únicos fatores prejudiciais a serem considerados. O cancro infantil é extremamente stressante para o paciente e para toda a família. O stress começa no momento do diagnóstico, quando as famílias são confrontadas com o tremendo fardo de entender a doença e os termos médicos, e enfrentar a possibilidade de morte da criança. A vida familiar é interrompida quando as famílias lutam com um "novo normal", que consiste em frequentes visitas hospitalares, contas médicas avassaladoras e um futuro questionável. E depois há os procedimentos médicos stressantes e às vezes dolorosos. 

O tratamento para cancros infantis é frequentemente mais intensivo do que para os cancros em adultos, em parte porque a doença progride mais rapidamente do que os cancros de adultos, mas também porque o corpo das crianças pode tolerar mais do que o dos adultos. Isso significa que os efeitos secundários do tratamento - náusea, fadiga, diarreia, vómitos e perda de cabelo - também podem ser mais graves.

A transição para a sobrevivência traz o seu próprio conjunto de desafios, à medida que as famílias se reajustam à vida doméstica e familiar, e as crianças voltam a entrar nos ambientes escolares e sociais. As crianças podem ter anos de atraso na escola, e enfrentam o desafio de problemas permanentes de atenção e memória, bem como perda auditiva e outras limitações físicas. Há um medo constante de recidiva que deixa as famílias em alerta. Por isso mesmo, não se deve considerar apenas os efeitos dos tratamentos contra o cancro no desenvolvimento do cérebro, mas também o impacto deste enquanto experiência stressante e potencialmente traumática.

Os efeitos psicológicos de longo prazo de tratamentos intensivos em crianças têm sido um tópico de estudo desde os anos 80. Como grupo, os pacientes com cancro infantil lidam bem psicologicamente com a experiência, mas, ainda assim, muitos relatam ansiedade, depressão e até stress pós-traumático. Entre as crianças com cancro, a pesquisa sugere que os sintomas específicos de stress pós-traumático ocorrem com mais frequência do que todo o espetro do transtorno de stress pós-traumático e podem afetar quase 75% dos jovens durante ou após o tratamento. 

Existe uma variabilidade substancial, com alguns estudos a sugerirem que a ameaça à vida percebida ou fatores clinicamente relacionados (por exemplo, tempo de internação hospitalar, recorrência, intensidade do tratamento) estão associados a sintomas mais graves de stress pós-traumático. Os sintomas deste tipo de stress podem incluir pesadelos ou flashbacks, um desejo de evitar pessoas, lugares ou coisas associadas à experiência, uma dificuldade em sentir emoções, sentir-se indefeso, distante ou isolado dos outros, e sentir-se ansioso ou facilmente assustado. Esses sintomas podem ser experimentados pelas crianças e pelas suas famílias. 

Embora os efeitos psicológicos do cancro sejam reconhecidos há já várias décadas, o modo como os aspetos stressantes e potencialmente traumáticos afetam o desenvolvimento do cérebro tem sido amplamente ignorado. E isso ocorre apesar da evidência convincente de que o stress e o trauma sofridos durante a infância podem alterar significativamente o sistema nervoso em desenvolvimento. 

Alterações no desenvolvimento neural podem durar a vida toda e aumentar o risco de uma série de problemas de saúde física e mental ao longo da vida. De fato, num estudo publicado no final da década de 1990, foi demonstrado que o trauma infantil, como violência, abuso e negligência, é extremamente comum, com mais de 50% dos adultos a relatarem exposição a um ou mais destes fatores. O estudo também identificou o trauma na infância como um importante fator de risco para problemas de saúde física e mental, incluindo cancro, doenças cardíacas, depressão e tendências suicidas. Estas são as principais causas de morte e de incapacidade em todo o mundo.

Pesquisas em neurociência mostraram que certas regiões do cérebro podem ser mais suscetíveis ao stress e ao trauma durante a infância. Pesquisas anteriores demonstraram que regiões cerebrais como o hipocampo (envolvido na aprendizagem e memória), a amígdala (envolvida no funcionamento emocional) e o córtex pré-frontal (envolvido na atenção e outras funções executivas de alta ordem) são alterados em indivíduos expostos a traumas na infância. Como essas regiões do cérebro continuam a se desenvolver na infância, elas podem ser particularmente sensíveis a fatores como o stress, o trauma ou a quimioterapia. Assim, deve-se considerar o "sucesso duplo" dos tratamentos contra o cancro e os aspetos stressantes e potencialmente traumáticos da experiência no desenvolvimento do cérebro.

Deve-se ser reconhecido que o cancro infantil não é apenas uma doença física, mas também uma doença mental. Ajudar as famílias a lidar com essas experiências deve ser uma prioridade durante o tratamento. No entanto, pressionado por tempo e recursos, o apoio psicológico de assistentes sociais e terapeutas é, às vezes, inadequado nos hospitais. Essas equipas de apoio psicossocial não estão em todos os hospitais, e só podem ver as famílias uma vez durante o tratamento, se tanto. 

As famílias também relataram que o apoio que recebem diminui drasticamente quando a criança completa o tratamento, deixando-os com poucos recursos para lidar com os novos fatores de stress que o ajuste à vida normal traz. Além de incentivar a cura do cancro, também se deve defender o apoio psicológico como um padrão de tratamento para o cancro infantil. Isso significa ter assistentes sociais e terapeutas como parte da equipa de tratamento. 

Também se deve pressionar por novas maneiras de evitar danos a longo prazo. São precisas mais pesquisas que encontrem formas de “construir” cérebros mais saudáveis e resilientes nas crianças. Por exemplo, um estudo da Universidade Estadual do Wayne, nos Estados Unidos, está atualmente a realizar estudos de neuroimagem para testar se uma terapia de artes marciais, a Kids Kicking Cancer, pode reduzir a dor e promover o desenvolvimento saudável do cérebro. 

Como o cérebro é "mais plástico" durante o desenvolvimento, ele não é apenas mais sensível aos tratamentos de cancro e ao stress, mas também mais recetivo a toda a ajuda que lhe é oferecida.
 
Notícias relacionadas


voltar
STQQSSD
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31
 
 
 
 
24 Outubro
Entre os dias 24 e 26 de outubro realiza-se, Centro de Congressos do Estoril, o 19.º...
25 Outubro
Entre os dias 25 e 27 de outubro, a Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos e o IPO do...
16 Novembro
Entre os dias 16 e 19 de novembro, realiza em Quioto, no Japão, o 50.º Congresso da Sociedade...
banner
© 2018PIPOP - Todos os direitos reservados.