PT
Pesquisa
Um projecto da Fundação Rui Osório de Castro


Manuel Abecassis explica tratamento inovador para leucemia linfoblástica aguda
2018-06-11
Fonte: SIC Notícias

O Diretor do Departamento de Hematologia do Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa, Manuel Abecassis, deu uma entrevista à SIC Notícias onde explicou como funciona a imunoterapia. 

Este tratamento inovador, que “permite utilizar as células do sistema imunitário do próprio doente para combater a doença”, foi recentemente aprovado pela Agência Europeia do Medicamento (EMA), para o tratamento da leucemia linfoblástica aguda, um tipo de cancro do sangue e da medula óssea, de progressão rápida e fatal.
Manuel Abecassis esclarece que este tratamento em nada tem a ver com a quimioterapia convencional, servindo quase como um suplemento.

“Este medicamento é como um suplemento, não substitui a quimioterapia convencional, permite é melhorar a estratégia do controlo da doença, particularmente em casos que ou são refratários ou recaíram depois do tratamento com quimioterapia convencional”, disse o Diretor do Departamento de Hematologia do IPO de Lisboa, ao mesmo tempo que reiterou que “a quimioterapia convencional continua a ter um papel fundamental no tratamento das leucemias agudas”. 

Para o médico, o aspeto mais promissor deste novo medicamento, também denominado de anticorpo monoclonal, é que se liga “por um lado aos linfócitos de um doente, e por outro lado tem um recetor que permite ligar esses linfócitos, que têm a capacidade de matar as células leucémicas, a essas mesmas células leucémicas. Ou seja, por um lado liga-se às células de defesa do organismo, por outro liga-se às células leucémicas; pôr em contato uma célula com outra leva à destruição da célula leucémica pelo próprio mecanismo de defesa do organismo.”

Apesar da sobrevida global aumentar dos 4 para os 8 meses, o que segundo Manuel Abecassis “não é nada de muito fantástico”, este medicamento tem a grande vantagem de permitir “a conjugação com outras estratégias, que podem inclusive passar pelo transplante”, obtendo assim “resultados que são, de facto, bastante melhores”. 

O facto de ser um “tratamento substancialmente menos agressivo”, faz com que tenha “efeitos secundários que são distintos dos da quimioterapia”, por não ter a “toxicidade nos órgãos que a quimioterapia tem”.

O pioneiro do transplante de medula óssea em Portugal esclareceu ainda que, apesar de ter sido aprovado pela EMA, o medicamento carece ainda de uma aprovação das “agências reguladoras de cada país”.

No caso de Portugal, será a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed) que terá de “avaliar as condições” da utilização deste tratamento, embora afirme já ter “utilizado [este tratamento] com as devidas autorizações do Infarmed em algumas situações particulares”.

 
Notícias relacionadas


voltar
STQQSSD
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31
 
 
 
 
24 Outubro
Entre os dias 24 e 26 de outubro realiza-se, Centro de Congressos do Estoril, o 19.º...
25 Outubro
Entre os dias 25 e 27 de outubro, a Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos e o IPO do...
16 Novembro
Entre os dias 16 e 19 de novembro, realiza em Quioto, no Japão, o 50.º Congresso da Sociedade...
banner
© 2018PIPOP - Todos os direitos reservados.