PT
Pesquisa
Um projecto da Fundação Rui Osório de Castro


Publicado estudo que levou à aprovação da terapia CAR-T para jovens com leucemia
2018-02-02
Fonte: Medical Xpress

Os resultados do estudo de fase II global e multicêntrico que levou à primeira aprovação de uma terapia celular por parte do regulador de saúde norte-americano (FDA), acabam de ser publicados na íntegra no New England Journal of Medicine

A terapia usa os próprios glóbulos brancos de um paciente que foram geneticamente instruídos para atingir e matar especificamente células cancerígenas, tendo sido aprovada em agosto de 2017 para tratar a leucemia linfoblástica aguda pediátrica, o cancro infantil mais comum. 

"Para este estudo, trabalhámos em conjunto com muitos colegas para demonstrar que o tratamento com a terapia CAR-T não era apenas viável numa configuração global, mas que também era igualmente segura e eficaz", disseram os investigadores que organizaram o ensaio que decorreu em 11 países e contou com a colaboração de especialistas dos Estados Unidos, Canadá, Europa, Japão e Austrália. 

De acordo com o artigo publicado, a investigação contou com 75 pacientes, com idades entre os 3 e os 21 anos, que tinham leucemia linfoblástica aguda de células B refratadas recidivante ou de tratamento. 

Ao todo, 61% desses pacientes apresentaram recidiva após o transplante de células estaminais hematopoiéticas alogénicas, uma terapia intensiva destinada a ser curativa e cuja falha deixa poucas opções remanescentes. 

Como comparação, o artigo cita outra terapia aprovada pela FDA para o tratamento de crianças com a doença, que produziu uma taxa de resposta de 20% com um tempo médio de sobrevivência global de 13 semanas.

"Anteriormente, para os pacientes que recaíram após o transplante ou não responderam ao tratamento, não existia muito mais que pudéssemos fazer por eles, a não ser enviá-los para o hospital, mas agora, em vez de eles irem para o hospital, nós tratamos deles com a terapia CART-T, eles melhoram e nós enviamo-los para casa”, confirmou a equipa. 

A análise atualizada mostrou uma taxa global de remissão de 81% no prazo de 3 meses após o tratamento. Todos os pacientes que responderam à terapia não apresentaram doença residual mínima por citometria de fluxo, o meio de análise mais sensível. A sobrevivência global foi de 90% aos 6 meses e de 76% aos 12 meses. 

"A terapia CAR-T é verdadeiramente importante para a leucemia pediátrica", disse Alan S. Wayne, diretor do Children's Center for Cancer and Blood Diseases; "estamos satisfeitos por fazermos parte de um pequeno número de instituições capazes de oferecer este novo tratamento a crianças para quem as terapias convencionais falharam", revelou.

Apesar das boas noticias, a terapia acarreta consigo efeitos secundários substanciais; eventos adversos de grau 3 ou 4, que podem ter sido relacionados com a terapia, ocorreram em 73% dos pacientes. 

Os efeitos secundários mais significativos incluíram síndrome de libertação de citoquinas, muitas vezes requerendo internamento em unidades de terapia intensiva, e eventos neurológicos em 40% dos pacientes.
 
Notícias relacionadas


voltar
STQQSSD
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31
 
 
 
 
24 Outubro
Entre os dias 24 e 26 de outubro realiza-se, Centro de Congressos do Estoril, o 19.º...
25 Outubro
Entre os dias 25 e 27 de outubro, a Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos e o IPO do...
16 Novembro
Entre os dias 16 e 19 de novembro, realiza em Quioto, no Japão, o 50.º Congresso da Sociedade...
banner
© 2018PIPOP - Todos os direitos reservados.