PT
Pesquisa
Um projecto da Fundação Rui Osório de Castro


Ultrapassar a leucemia pediátrica: uma história de sucesso na medicina
2018-01-11
Fonte: Bridge Port

A leucemia linfoblástica aguda é o cancro mais comummente diagnosticado entre crianças e adolescentes com idades iguais ou superiores a 20 anos. E apesar do grande número de crianças diagnosticadas, só nos Estados Unidos são diagnosticadas cerca de 5 mil crianças todos os anos, este tipo de cancro é uma das grandes histórias de sucesso da medicina. 

Este facto ocorre porque mais de 98% das crianças diagnosticadas com leucemia linfoblástica aguda hoje em dia entram em remissão e 90% dessas crianças ficam curadas, uma taxa que aumentou significativamente desde a década de 1950.

Para esse sucesso, uma vez que o cancro infantil é relativamente raro, contribuiu o facto dos investigadores de cancro pediátrico se terem unido, colaborando em ensaios clínicos para desenvolver e avaliar novos tratamentos para a doença. 

Os atuais tratamentos de quimioterapia para a leucemia pediátrica foram suportados por essas colaborações, melhorando as hipóteses de cada criança diagnosticada com leucemia. 

Esta colaboração também se tornou um modelo para pesquisa do cancro em adultos e também levou a grandes avanços no tratamento do cancro nesta faixa etária. 

Crianças com leucemia recebem combinações de fármacos anticancerígenos para eliminar células de leucemia, administradas com diferentes intensidades e em diferentes fases. Alguns dos pacientes também recebem terapia de radiação e, em alguns casos, é necessário um transplante de células estaminais para dar à criança novos sistemas imunológicos e formadores de sangue.

Recentemente, o regulador de saúde norte-americano (FDA) aprovou a terapia com células T de recetores de antígenos quiméricos para a leucemia recorrente ou persistente em pacientes com até 25 anos. 

Com esta imunoterapia revolucionária, células brancas de sangue chamadas células T são removidas do paciente, geneticamente modificadas e retornam ao paciente para encontrar e matar as células de leucemia.

Atualmente, os investigadores estão a concentrar-se nos 10 a 15% das crianças que não sobrevivem à leucemia; para isso, os especialistas têm vindo a recorrer a ferramentas genéticas mais recentes para estudar as diferenças moleculares entre leucemias que podem ser curadas e aquelas que persistem ou retornam apesar do tratamento. 

Cientistas de centros médicos académicos com um hospital infantil, como o Morgan Stanley Children's Hospital, nos Estados Unidos, estão neste momento a conduzir uma pesquisa pioneira para decifrar as complexidades genéticas desse tipo de cancros e a desenvolver novas terapias que se aproximam dos seus mecanismos moleculares. 

 
Notícias relacionadas


voltar
STQQSSD
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31
 
 
 
 
25 Janeiro
A próxima reunião científica do Centro de Investigação em Meio Ambiente, Genética e Oncobiologia...
21 Fevereiro
O Fórum Cancro Pediátrico 2018 realiza-se no dia 21 de fevereiro, em Lisboa. A iniciativa é...
22 Fevereiro
O 26.º Encontro de Pediatria, organizado pela ASIC - Associação de Saúde Infantil de Coimbra,...
banner
© 2018PIPOP - Todos os direitos reservados.