PT
Pesquisa
Um projecto da Fundação Rui Osório de Castro


Através de desenhos, crianças mostram o que é a dor
2017-11-09
Fonte: Público

Foi no dia 20 de outubro que se assinalou o Dia Nacional de Luta contra a Dor. Para que esta causa não seja esquecida, desde 2005 que a Associação Portuguesa para o Estudo da Dor (APED) instiga crianças hospitalizadas ou em tratamentos regulares para desenhar a dor.

O objetivo é “valorizar as queixas dos mais pequenos”. Em entrevista ao Jornal Público, a médica e coordenadora do Grupo de Dor na Criança e Adolescente da associação, Clara Abadesso, explicou que, ao desenhar, “as crianças conseguem descrever a sua experiência de dor de uma forma incrível” expressando-a em várias dimensões.

“Tratar a dor nas crianças continua a representar um enorme desafio para os profissionais de saúde e é um motivo de grande preocupação e aflição dos pais”. Esta iniciativa, que esteve patente no Hospital Pediátrico de Coimbra, na exposição Vou Desenhar a Minha Dor, obriga os adultos a olhar para a dor dos mais pequenos. A exposição será itinerante, estando presente em várias unidades hospitalares do país.

A iniciativa, patrocinada pela Bene Farmacêutica, dividiu-se em três escalões etários: menos de 6 anos; dos 6 aos 8 e dos 9 aos 12 anos. Para Clara Abadesso, enquanto as crianças estão a desenhar, ao focarem-se numa atividade agradável e estimulante, distraem-se, o que “pode ajudar a reduzir a dor”.
A exposição alerta ainda para a existência de “soluções e estratégias não farmacológicas que deverão ser empregues no dia a dia nos serviços de saúde para minorar o problema da dor”.

Segundo a International Association for the Study of Pain (IASP), a dor é uma “experiência multidimensional desagradável, envolvendo não só uma componente sensorial, mas também uma componente emocional, e que se associa a uma lesão tecidular concreta ou potencial, ou é descrita em função dessa lesão”.

Para Clara Abadesso, que corrobora a definição da IASP, a dor é “uma experiência individual, subjetiva e multidimensional” que não resulta “apenas da parte sensorial” tendo uma parte emocional “baseada no estado afetivo, experiências de dor passadas, etapa de desenvolvimento e muitos fatores de ordem pessoal, cultural e até espiritual”.

Para além disso, a médica acredita que existe ainda uma parte comportamental, que se prende com a forma como “a pessoa vai reagir à dor, que também é muito variável e pode até condicionar uma amplificação ou redução da dor.”

Ainda que considere a dor “um dos problemas médicos mais ‘incompreendidos”, subdiagnosticados e subtratados”, na entrevista, a especialista valorizou o trabalho da investigação científica dos últimos 25 anos, ainda que defenda que existe muito a fazer para que “a prevenção, o diagnóstico e o tratamento da dor sejam mais eficazes, quando se introduz na prática clínica o que já se demonstrou na investigação cientifica”.
 
Notícias relacionadas


voltar
STQQSSD
 
 
1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30
 
 
 
banner
© 2017PIPOP - Todos os direitos reservados.