PT
Pesquisa
Um projecto da Fundação Rui Osório de Castro


Cientistas identificam genes que alimentam desenvolvimento do neuroblastoma
2017-09-05
Fonte: Science Daily

Pela primeira vez, investigadores da Mayo Clinic, nos Estados Unidos, apresentam dados sobre de que forma os tumores do sistema nervoso, chamados neuroblastomas, se espalham.

O artigo, publicado na Cancer Cell, esclarece a relação entre dois genes que alimentam a disseminação agressiva de neuroblastomas.

O neuroblastoma é um cancro que afeta comummente crianças com 5 anos ou menos, embora possa ocorrer em crianças mais velhas. O cancro desenvolve-se a partir de células nervosas imaturas encontradas em várias áreas do corpo, mas geralmente surge nas glândulas adrenais e ao redor delas, que têm origens semelhantes às células nervosas e que se sentem no topo dos rins.

Como outros tipos de cancro, as características do neuroblastoma estão ligadas a alterações genéticas.

De acordo com os investigadores, a expressão aumentada do gene LMO1 está associada a neuroblastomas agressivos de alto risco; análises genéticas feitas em peixes zebra demonstraram pela primeira vez que o LMO1 coopera com o gene MYCN para acelerar o início do tumor e aumentar o seu crescimento.

Duas estirpes de peixes zebra foram projetadas para expressar LMO1 ou MYCN em níveis elevados; o primeiro modelo foi desenvolvido para descobrir o mecanismo molecular subjacente à disseminação de neuroblastoma mediada por LMO1, um grande problema em dois terços das crianças com doença de alto risco no diagnóstico.

As duas estirpes de peixe zebra foram cruzadas; nos peixes que expressavam MYCN e LMO1, os autores observaram o desenvolvimento do tumor em 80% da prole até às 24 semanas de idade. Na prole que expressava apenas o gene MYCN, os tumores desenvolveram-se apenas entre 20% a 30% durante o mesmo período de tempo.

Esta foi a primeira evidência num modelo animal de que níveis elevados de expressão de LMO1 promovem metástases de neuroblastoma induzido por MYCN; de acordo com a investigação, o mecanismo que explica isso é a desregulação de genes associados à matriz extracelular.

A matriz extracelular é o material que existe entre as células; esta inclui elementos estruturais e químicos que ligam fisicamente as células e em termos de comunicação. No peixe zebra que expressa ambos os genes, os marcadores de rigidez aumentaram na matriz extracelular. Os autores sugerem que o elevado nível de expressão de LMO1 muda a expressão de genes que controlam a matriz extracelular; isso pode, por sua vez, levar a alterações que beneficiam o crescimento e disseminação do tumor.

O laboratório está agora a realizar estudos de acompanhamento com base no modelo único de peixe zebra para traduzir o conhecimento em terapias efetivas.
 
Notícias relacionadas


voltar
STQQSSD
 
 
1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31
 
 
21 Setembro
Nos dias 21 e 22 de setembro, a Liga Portuguesa Contra o Cancro organiza, em Lisboa, o I Congresso...
03 Outubro
Entre os dias 3 e 5 de outubro, realiza-se em Foz do Iguaçu, no Brasil, o XVI Congresso Brasileiro...
16 Novembro
Entre os dias 16 e 19 de novembro, realiza em Quioto, no Japão, o 50.º Congresso da Sociedade...
banner
© 2018PIPOP - Todos os direitos reservados.