PT
Pesquisa
Um projecto da Fundação Rui Osório de Castro


Sobreviventes de cancro pediátrico têm cada vez menos efeitos secundários a longo prazo
2017-06-07
Fonte: Reuters

De acordo com investigadores norte-americanos, melhores estratégias de tratamento para cancros pediátricos ajudam os sobreviventes a viverem mais tempo, com menos problemas de saúde relacionados com o tratamento. 

A descoberta foi apresentada na reunião da American Society of Clinical Oncology, em Chicago, nos Estados Unidos, e baseia-se na análise de dados de 23 600 participantes do Childhood Cancer Survivor Study.

Em geral, as condições graves de saúde decorrentes de 15 anos de diagnóstico de cancro infantil diminuíram de 12,7% na década de 70 para 8,8% dos sobreviventes na década de 1990.

As descobertas mostram que os sobreviventes que receberam abordagens de tratamento mais modernas, como exposição reduzida à radiação e menores doses de quimioterapia, não só eram curados como tinham um risco menor de desenvolver sérios problemas de saúde devido aos tratamentos numa fase posterior da vida.

O estudo concentrou-se em problemas de saúde graves, incapacitantes ou fatais que ocorreram num espaço de 15 anos após o diagnóstico de cancro pediátrico, entre 1970 e 1999.

O maior declínio nos problemas de saúde relacionados ao tratamento ocorreu em sobreviventes do tumor de Wilms; neste grupo, complicações graves diminuíram de 13% para 5%.

Em sobreviventes de linfoma de Hodgkin infantil, as taxas de complicações latentes caíram de 18% para 11%; as melhorias também foram observadas em casos de astrocitoma e de leucemia linfoblástica aguda.

Infelizmente, não houve reduções nos efeitos secundários a longo prazo entre sobreviventes de neuroblastoma, leucemia mieloide aguda, sarcomas de tecido mole e osteossarcoma.

As melhorias mais significativas foram observadas nas condições endócrinas, como diabetes, doença da tiroide ou deficiências na hormona do crescimento; os problemas endócrinos diminuíram de 4% na década de 1970 para 1,6% na década de 1990. 

O surgimento de cancros secundários caiu para 1,6% na década de 1990, em comparação com 2,4% na década de 1970.

As condições gastrointestinais e neurológicas também melhoraram, mas não houve melhorias nas taxas de doenças cardíacas ou pulmonares.
 
Notícias relacionadas


voltar
STQQSSD
 
1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31
 
 
 
02 Setembro
No dia 2 de Setembro, os Barnabés do Núcleo Norte da Acreditar promovem um Sunset Solidário.  
22 Setembro
A 22 de setembro, a Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC) irá organizar um evento onde a realidade...
28 Setembro
Nos dias 28 e 29 de setembro acontecerá o Congresso Multiprofissional – Hospital de Dona Estefânia...
banner
© 2017PIPOP - Todos os direitos reservados.