PT
Pesquisa
Um projecto da Fundação Rui Osório de Castro


Serviços de saúde devem ter plano estratégico centrado no doente
2017-02-14
Fonte: Lusa

Os serviços de saúde em Portugal devem ter um plano estratégico mais centrado nas necessidades do doente e não em questões administrativas, defendeu Manuel Luís Capelas, coordenador do Observatório Português dos Cuidados Paliativos.

"Precisamos de um plano estratégico centrado nas pessoas e não em questões administrativas, como saber as taxas de ocupação de camas e permanência médica nos serviços, que não são medidores de qualidade", afirmou o responsável. 

Luís Capelas explicou que existem em Portugal três tipos de rede de cuidados paliativos, que deviam integrar o mesmo sistema de referência "centrado nas necessidades do doente", e defendeu a mudança de "chip" para que os cuidados paliativos atuem o mais precoce possível e "possam ir ao encontro do doente”.

De acordo com o especialista, "é também necessário fazer uma monitorização do número de doentes acompanhados por equipas de cuidados paliativos, que mostre à sociedade os impactos que têm junto dos doentes, porque há dificuldade em medir o seu impacto na melhoria da qualidade de vida do doente".

Um estudo realizado em 2015 e citado por Manuel Luís Capelas revelou que 90 por cento dos doentes com prognóstico de vida inferior a 15 dias não estão referenciados para cuidados paliativos porque os médicos ainda têm uma perspetiva de cura.

A pesquisa foi efetuada em 11 hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e contou com a participação de 1 273 doentes e 182 médicos.
 
Notícias relacionadas


voltar
STQQSSD
 
 
 
 
1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31
13 Dezembro
No dia 13 de dezembro, a Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC) organiza a Conferência “Tabagismo e...
banner
© 2017PIPOP - Todos os direitos reservados.