PT
Pesquisa
Um projecto da Fundação Rui Osório de Castro


Tratar células-tronco como alvo terapêutico pode impedir recidiva da leucemia
2011-06-06
Fonte: ISaúde

Cientistas do King's College de Londres, no Reino Unido, identificaram uma forma de eliminar as células-tronco da leucemia, o que poderá antever novos tratamentos que permitam a remissão completa de pacientes com leucemia. 

Um primeiro estudo em ratos mostrou que as células-tronco de leucemia podem ser eliminadas, suprimindo duas proteínas encontradas no corpo. Estas células-tronco sustentam a doença e são responsáveis pela recidiva da leucemia, pelo que a sua eliminação pode ser a chave para atingir a remissão completa. 

Os resultados do estudo, financiado pelo Cancer Research UK e Linfoma Leucemia Research, destacam as duas proteínas como potenciais alvos terapêuticos para prevenir a recidiva das formas mais agressivas de leucemia. 

A pesquisa publicada na revista Cell Stem Cell explica que foram avaliadas as células-tronco encontradas num tipo de leucemia que se forma a partir de mutações do gene MLL, o que representa cerca de 70% das leucemias infantis. 

A proteína Bmi1 já era conhecida por desempenhar um papel fundamental na sobrevivência e proliferação das células-tronco de diferentes tipos de cancro, mas o estudo mostra, pela primeira vez, que embora esta seja fundamental para a sobrevivência das células de Leucemia Mielóide Aguda (LMA), as células-tronco de MLL podem sobreviver independentemente da proteína Bmi1. 

As conclusões sugerem, por isso, que em pacientes que tenham o gene MLL, atacar a proteína Bmi1 de forma isolada não terá impacto na erradicação de células estaminais da leucemia, como se pensava anteriormente.

A equipa encontrou também níveis elevados de uma outra proteína, designada por Hoxa9, em ratos e doentes humanos. Tal como a Bmi1, a proteína garante a normal reprodução e proliferação das células de leucemia. Nos ratos com células-tronco de leucemia, a supressão das duas proteínas, Bmi1 e Hoxa9, eliminava a capacidade de mutação do gene MLL para induzir a leucemia.

Os resultados destacam assim a importância de ter como alvo terapêutico a combinação das duas proteínas no combate à doença.

Os cientistas sublinham que estes dados fornecem informação vital que permitirá uma perspectiva mais ampla de alternativas para combater as diferentes formas da doença, possibilitando, no futuro, a remissão completa da doença, motivo pelo qual se torna agora fundamental identificar exactamente de que modo as proteínas Bmi1 e Hoxa9 sustentam o crescimento das células tumorais, a fim de desenvolver um tratamento eficaz para evitar a recidiva da leucemia.


voltar
STQQSSD
 
 
1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30
 
 
 
banner
© 2017PIPOP - Todos os direitos reservados.