PT
Pesquisa
Um projecto da Fundação Rui Osório de Castro


Citoesqueleto pode controlar atividade de oncogenes
2013-05-13
Fonte: IGC

A investigadora Florence Janody e a sua equipa do Instituto Gulbenkian de Ciência, em Lisboa, identificaram um novo mecanismo através do qual a atividade do oncogene Src é limitada pelo esqueleto da célula (citoesqueleto), controlando o desenvolvimento de tumores.

Um oncogene é uma categoria de genes fundamental durante a evolução do cancro, uma vez que codifica proteínas cuja atividade é favorável ao seu desenvolvimento. Até à data, sabia-se que o oncogene Src estaria implicado num grande número de tipos de cancro humanos; no entanto, falta ainda perceber de que modo as células saudáveis ​​restringem a sua atividade para não se tornarem cancerígenas. 

Num artigo publicado na última edição da revista Oncogene, os investigadores em Portugal explicam que, usando a mosca da fruta Drosophila melanogaster como modelo, foi possível travar o desenvolvimento do tumor induzido pela alta atividade de Src, através da manipulação genética do citoesqueleto em tecidos da mosca. 

Um dos principais componentes do citoesqueleto, a proteína actina, cria uma rede onde as moléculas podem mover-se no interior da célula. Esta rede impede a ação da atividade do oncogene, dada a elevada produção de uma molécula que resulta deste processo, a proteína actina capping.

Esta proteína impede a atividade de outras que são normalmente ativadas por elevados níveis de Src. A elevada presença destas proteínas é inversamente proporcional aos níveis de atividade do Src.

Os cientistas ressalvam que, quando a rede do citoesqueleto não é fortemente regulada, a atividade de oncogenes, tais como o Src, não é travada, e forma-se o tumor.

A investigadora Florence Janody explica que o citoesqueleto funciona como um "arame farpado" na luta contra o oncogene Src. O vencedor desta batalha é quem irá determinar se a célula se mantém saudável ou dará origem a um cancro.

Beatriz García Fernández e Barbara Jezowska, primeiras autoras deste trabalho, acrescentam que esta pesquisa indica que mutações nas moléculas que regulam o esqueleto da célula podem desempenhar um papel significativo no desenvolvimento do cancro, assumindo-se como indutoras durante as fases iniciais da doença, no sentido em que promovem a atividade dos oncogenes. 

O estudo foi realizado no IGC e financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia.
 
Notícias relacionadas


voltar
STQQSSD
 
 
 
1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28
 
 
 
 
24 Fevereiro
O 4.º Seminário de Oncologia Pediátrica, organizado pela Fundação Rui Osório de Castro, realiza-se...
15 Março
O III Congresso Internacional de Imagem Médica e Radioterapia realiza-se em Castelo Branco, entre...
16 Março
O Núcleo Regional do Centro da Liga Portuguesa Contra o Cancro irá organizar, em Coimbra, no dia 16...
banner
© 2018PIPOP - Todos os direitos reservados.